River Plate vence superclássico contra o Boca Júniors e é campeão da Libertadores

Com todos os ingredientes de um grande clássico, o River levou a melhor ao vencer o rival por 3 a 1, de virada, já na prorrogação.

Maranhão Notícias

O River Plate é o campeão da Taça Libertadores da América. Após as confusões entre torcedores, tensão e adiamentos, a segunda partida da final da Libertadores foi realizada às 17h30 (horário de Brasília), deste domingo (9), no Estádio Santiago Bernabéu, em Madri(ESP).

Com a bola rolando, o River venceu o Boca Júniors por 3 a 1, de virada com direito a drama e final feliz para os campeões.

Os gols da partida foram marcados por Pratto, Quintero e Pity Martinez para o River, enquanto que Benedetto o gol de honra para o time que tem o ex-jogadora Maradonna como um de seus torcedores. Dessa vez, com forte esquema de segurança e sem torcida atrás dos gols a partida foi tranquila e teve espaço para muito futebol e emoção para os argentinos.

O jogo

O superclássico começou com muito equilíbrio, e só aos 10 minutos o primeiro lance de perigo de gol, por sinal protagonizado pelo Boca Júnior com Maidana, que chutou para fora e noutro lance após escanteio, Izquierdoz desvia e Pérez pega de primeira sem força.

O primeiro gol da partida foi marcado por um atacante que o Palmeiras conhece bem, o Benedetto em um contra-ataque mortal após jogada perigosa do River. Foi aos 44 minutos quando tudo caminhava para um empate sem gols na primeira etapa num lance em que Benedetto recebe passe em profundidade de Nández, se livra do marcador e se livrar do carrinho de Maidana e toca na saída de Armani!

Com o empate por 2 a 2 na primeira partida, a vitória parcial (1×0) estando dando o título ao Boca Júnior, mas no segundo tempo o jogo mudou de figura.

Em desvantagem o River foi para cima, mas encontrou um rival perigoso que chegou com perigo para ampliar o placar.

No futebol existe uma máxima muito conhecida de que “a bola pune” ou “quem não faz leva”, situação que aconteceu aos 20 minutos quando Pavón foi lançado pela esquerda em velocidade, limpou para o meio e chuta para fora, mas se tivesse tocado para Villa, que estava sozinho, certamente o Boca teria ampliado.

No minuto seguinte o River empatou a partida com o atacante Lucas Pratto, após tabela de Nacho Fernández tabela com Palacios.

O empate equilibrou, ainda, mais as equipes em campo. Até os 49 minutos, foi lá e cá, mas o empate acabou levando a decisão para a prorrogação.

Os gols que deram o título ao River só foram marcados no segundo tempo da prorrogação. Aos 3 minutos Quinteiro recebeu um passe, dominou a bola e bateu firme. A bola, ainda, desviou no travessão. No minuto seguinte o Boca quase empatou após desvio de Nández, Mayada que tentou cortar, de cabeça, a jogada e quase mandou a bola para as próprias redes, mas Armani defendeu.

Aos 14 minutos do segundo tempo da prorrogação, o último minuto do tempo normal da prorrogação, Jara perdeu a chance de empatar ao chutar, a bola desviar na zaga e bater na trave.

Em meio a tanta tensão pelo risco de sofrer o empate, o River finalmente tirou o grito de campeão engasgado na garganta de seu torcedor, aos 16 minutos, com o gol da virada. Em contra-ataque rápido Quinteiro ganhou a bola na intermediária e tocou para Pity Martinez sozinho dá números finais ao placar. Depois foi só festa para os torcedores do River que foram ao Santiago Bernabéu, onde estavam, também, celebridades como Méssi, o craque do Barcelona além de James Rodriguez, Simeone e Javier Zanetti. ( Foto: Site do Jornal El Pais-Divulgação).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *