Academia Imperatrizense de Letras abre 17º Salimp e faz apelo para manter feira

O Salimp prossegue até o dia 13 de outubro, com entrada franca, no Centro de Convenções.

Maranhão Notícias

IMPERATRIZ – Em clima de sarau foi aberta na noite dessa sexta-feira(4), no Centro de Convenções, a 17ª edição do Salão do Livro de Imperatriz(Salimp) que tem por tema “Vultos literários do Sertão Maranhense” e homenageia o escritor Manoel de Souza Lima, um dos primeiros da região o qual acredita-se ter sido autor dos primeiros registros da obra Os Sertões. O evento vai prosseguir até o dia 13 com entrada franca das 9h às 22h e sábado e domingo das 14h às 23h.

A solenidade de abertura da maior feira literária do Estado e uma das maiores do Nordeste, foi na área do rol de entrada principal do Centro de Convenções.

A programação deste ano teve uma apresentação conjunta dos poetas Zeca Tocantins, Marcos Lucena, Marcos Lucena, e Trajano Neto que cantaram e recitaram poesias para um público de aproximadamente quinhentas pessoas, a maioria delas estudantes.

Para não ficar extensa, apenas cinco pessoas fizeram uso da palavra. O representante da Empresa Maranhense de Administração Portuária, um dos patrocinadores, Benjamin Vieira Paiva foi o primeiro a discursar seguido de Charles Oliveira, representante da Fundação Cultural de Imperatriz (FCI), Luís Carlos Porto, representante do Governo do Estado, dois bisnetos do patrono Sousa Lima, Felipe Saboia e Yago Pereira e o presidente da Academia Imperatrizense de Letras, Raimundo Trajano Neto.

Trajano Neto agradeceu o apoio de todos os patrocinadores pela parceria que é realizado anualmente.

“O Salimp que é um misto de cansaço, mas é de alegria porquê quando chega o momento maior, que é este de abertura de um novo Salimp a gente se revigora. As lágrimas nos momentos tormentosos que a gente passa ao longo do ano para realizar esta grande festa cultural fazem com que consolidemos o ideal da cultura de nossa terra através da literatura”, disse.

O presidente da AIL, no entanto, fez uma revelação em tom de alerta. Disse que a entidade vem enfrentando dificuldades para realizar o Salimp e pediu mais apoio de órgãos públicos, iniciativa privada e da sociedade para refletir sobre a importância do Salimp para a região e Estado.

“Não é fácil chegar até aqui, a academia tem de passar o pires ao longo do ano, pedindo, clamando, para que não fechem os olhos para o Salimp porque o Salimp já é uma instituição reconhecida através de projetos de lei do deputado Marcos Aurélio e sancionada pelo governo como patrimônio cultural e imaterial do Maranhão, resultado de muita seriedade em que realizamos o evento”, disse acrescentando que “é preciso leis de incentivo e que possam proteger o Salimp, de todas as formas, inclusive economicamente”.

Após o discurso, imortais da AIL e convidados cortaram a fita no portal principal, iniciando assim o Salimp. Em poucos minutos os 50 estandes da feira estavam sendo visitados.

A feira apresenta milhares de títulos, de vários gêneros com preços variados. Há estandes com livros a partir de R$5.

Ainda na noite de sexta-feira foram realizados shows, exposições de quadros, entre outras atividades.

(Fotos e vídeo: Maranhão Notícias).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *