Cinco curiosidades do bairro Pirituba na Zona Norte de São Paulo

O bairro tem uma história curiosa que chama a atenção sem falar no fato e ser um dos locais de natureza preservada do Estado.

 

Por Felipe Emerson pereira – FBS/Divulgação.

SÃO PAULO  — São Paulo é uma cidade vasta e extensa. É também um mar de arranha-céus que podem parecer intermináveis. Mas em dias claros, uma cordilheira chamada Serra da Cantareira aparece muito ao norte. É uma das partes remanescentes dispersas da Mata Atlântica, o bioma parcialmente tropical que já cobriu vastas áreas do litoral brasileiro. E parte disso está dentro da Zona Norte.

Para explicar melhor, a cidade de São Paulo reconhece dez áreas geográficas usadas para referenciar locais na cidade. Essas zonas foram estabelecidas dividindo a cidade radialmente do centro e cada uma é representada por uma cor diferente usada nos ônibus urbanos e nas placas da rua. O único critério usado para esta divisão são os limites geográficos (estradas, rios, etc.), sem relação alguma com as divisões administrativas. Alguns distritos podem estar parcialmente em uma área geográfica e parcialmente em outra, fazendo parte de diversos bairros.

E os bairros de São Paulo são governados por prefeituras regionais (denominadas subprefeituras) criadas – pelo menos em teoria – para dar mais autonomia financeira aos governos locais. Existem 32 subprefeituras na capital paulista e uma delas é a de Pirituba. O bairro de Pirituba é considerado a segunda área mais verde da cidade de São Paulo. Localizado entre a zona norte (e oeste) da capital paulista, é uma localidade que reúne diversas curiosidades interessantes.  Acompanhe 5 delas!

 

Curiosidade #1 – De onde surgiu o nome Pirituba

O nome Pirituba provém da união das palavras provenientes da língua indígena Tupi. Piri seria um tipo de vegetação de brejos, e tuba, seria um sufixo para designar uma grande quantidade. Ou seja, Pirituba significaria “muita vegetação brejeira”. A localidade inicialmente foi explorada por muitos fazendeiros e imigrantes que chegaram a São Paulo para constituir residência, bem como produzir alguns dos principais cultivos que a capital paulista realizou entre os séculos XVI e XVII, como o café e a erva mate, que lhe deram fama nacional e até mesmo internacional. Basicamente, Pirituba em sua formação foi praticamente povoada por dezenas de sítios e de chácaras que, de maneira direta, serviram para abastecer o município com todo tipo de alimentos no período do Brasil Colônia. Até hoje, a região é considerada porta de entrada para o município de São Paulo, abrigando em suas esferas a presença de duas importantes rodovias federais, que são a Via Dutra ( que liga São Paulo ao Rio de Janeiro) e a rodovia Fernão Dias (que liga São Paulo a Belo Horizonte). Nesta região ainda encontra-se o famoso Terminal Rodoviário do Tietê (com conexões de ônibus para todo o Estado de São Paulo e várias cidades brasileiras) e, também, a famosa Rodovia Ayrton Senna da Silva (construída em homenagem ao piloto de Fórmula-1 brasileiro falecido em 1994, que liga a capital paulista ao interior do Estado).

 

Curiosidade #2 – Neste bairro vivia a amante do imperador Dom Pedro I

Por mais curioso que isso possa parecer – e até mesmo sendo um dado um tanto quanto irrelevante para os dias de hoje – no passado, o bairro de Pirituba era conhecido por alguns paulistas da alta sociedade por abrigar em seu seio uma residência um tanto quanto famosa na cidade: a da amante do imperador Dom Pedro I. Tratava-se nada mais, nada menos, do que a casa da Dona Domitila de Castro do Canto e Mello, a Marquesa de Santos, uma senhora de origem brasileira que roubou o coração de nosso príncipe governante e que pertencia a uma das famílias mais tradicionais da cidade. O imóvel aonde viveu a marquesa, na atualidade, abriga o Museu da Cidade de São Paulo e é uma referência para o Patrimônio Histórico Nacional.

 

Curiosidade #3 – Pra inglês ver

No bairro de Pirituba, desde 1929, foi erguida uma residência na qual viveu o presidente da companhia de estradas de ferro São Paulo Railway, o inglês Aleck Wellington. Chamado atualmente de “Castelinho dos Ingleses”, o local serviu também como residência para alguns funcionários da empresa ferroviária, sendo hoje utilizado como um salão de festas para moradores de um condomínio de luxo de casas para alugar em Pirituba ou mesmo à venda, para um público de alto poder aquisitivo. Para essa parcela da população da localidade, Pirituba conta com algumas famosas áreas nobres bastante especuladas pelo mercado imobiliário local, como por exemplo: Água Fria, City América. Alto de Santana, Jardim São Paulo, Jardim Floresta, Jardim São Bento, Jardim Barro Branco, Jardim França, Serra da Cantareira, Parque Palmas do Tremembé e o Jardim Guapira.

 

Curiosidade #4 – Não há um consenso puro       

No que tange a questão da distribuição geográfica deste bairro famoso da capital paulista, especialmente por parte de quem busca por apartamentos para alugar em Pirituba, há um pouco de confusão, pois não existe um consenso puro a respeito de se o bairro, que é considerado da Zona Norte, pertence mesmo à ela, ou à região oeste de São Paulo. Isto, porque existe uma pequena confusão entre quadras e localidades distintas que fazem parte de Pirituba e do que é considerado de propriedade do bairro vizinho, São Domingos. Estes são dois bairros paulistas que tiveram um nascimento bastante parecido e próximo, especialmente por conta das fazendas produtoras de café. Um exemplo de local que ambos disputam é a “propriedade” do Parque Cidade de Toronto, que fica na divisa entre ambos.

 

Curiosidade #5 – Região próspera em ouro inicialmente

Na região de Pirituba, situada ao norte do Rio Tietê, encontra-se um famoso monte brasileiro, o Pico do Jaraguá, local onde muitos desbravadores encontraram a primeira expressiva mina de ouro brasileira, muito tempo antes delas fazerem fama no Estado de Minas Gerais. Isto ocorreu no início do século XVII, quando o pequeno povoado de Pirituba sequer era considerável, e muito menos visto a olho nu lá de cima do pico! Historicamente, a região servia de acesso a alguns municípios vizinhos, que hoje foram a grande região da Zona Norte da Grande São Paulo, como é o caso de cidades como Caieiras, Franco da Rocha, Francisco Morato e Mairiporã.

Gostou destas curiosidades sobre o bairro de Pirituba? Aproveite e compartilhe este post em suas redes sociais!

(Foto:Imagem: Pixbay).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *