Livros de acadêmicos da AIL falecidos serão usados em sala de aula na Uemasul

A Assembleia Legislativa do Maranhão aprovou projeto de lei de autoria do deputado Professor Marco Aurélio que reconhece o Salimp como patrimônio imaterial do Maranhão.

Maranhão Noticias com informações da assessoria

IMPERATRIZ – Livros de patronos de cadeiras da Academia Imperatrizense de Letras (AIL) já falecidos, que residiram nos municípios de Grajaú e Imperatriz deverão ser usados em sala de aula na Universidade Estadual do Sul do Maranhão (UemaSul). A proposta, também, consiste na reedição de material histórico produzido pelos acadêmicos Rennôr de Carvalho e Benedito Batista.

A proposta do professor Gilberto Freire de Sant’Anna foi anunciada em reunião semanal da AIl, na quinta-feira, pelo acadêmico Ariston Di França.

Além destes, a universidade pretende reeditar uma obra de Sousa Lima, primeiro escritor a produzir obra literária em Imperatriz.

O secretário da AIL, Domingos Cezar Ribeiro destacou a nova dinâmica adotada pela universidade desde que o governador Flávio Dino transformou e Uema em UemaSul, segundo ele, propiciando mais autonomia para a universidade regional. E lembrou que a Academia de Letras foi a primeira instituição a apoiar a decisão do governador.

O atual presidente da AIL, Raimundo Trajano Neto, disse que a entidade literária, também, fortalecerá esse vínculo com a UemaSul. “Se a universidade nos prestigia, também temos a obrigação de prestigiá-la e manter esse vínculo que fortalecerá a cultura de Imperatriz e região”.

Outra boa noticia divulgada durante a reunião foi sobre a aprovação, pela Assembléia Legislativa do Maranhão, de um projeto de Lei de autoria do Deputado Professor Marco Aurélio Azevedo que reconhece o Salão do Livro de Imperatriz (Salimp) como patrimônio histórico e imaterial do Maranhão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *